terça-feira, 27 de julho de 2010

Pesquisa diz que brasileiros estão lendo mais

Uma pesquisa da ANL, Associação Nacional de Livrarias aponta que os brasileiros leem 1,9 livros por ano. Embora o resultado seja tímido, os dirigentes do setor comemoram.

Os brasileiros estão lendo cada vez mais. O número de livrarias está aumentando e, consequentemente, o número de leitores. A pesquisa, divulgada em 27 de julho, faz um traçado do leitor brasileiro por região e aponta qual estado há mais livrarias por habitante. 

No país há 2980 lojas, 11% a mais em relação a 2006. Segundo o presidente da ANL, o índice ainda é baixo. "1,9 livros por habitante ano é muito pouco e bem abaixo dos países latino-americanos. Na Argentina, lê-se em torno de cinco, no Chile, três, na Colômbia, 2,5 livros por ano", afirma Vitor Tavares, presidente da ANL.

A maior parte das livrarias está concentrada nos grandes centros urbanos, o que dificulta a prática da leitura por leitores que moram em regiões com médias e pequenas cidades. A região Sudeste tem o maior número de lojas, o estado de São Paulo (864 livrarias) tem mais que o dobro do segundo colocado, o Rio de Janeiro (298 livrarias). No Nordeste, destaque para a Bahia, que tem o maior número de livrarias, é o sexto colocado ao lado de Santa Catarina, ambos com 119 lojas. Um dado interessante está no estado de Roraima, que tem a melhor média nacional. O estado tem apenas 25 livrarias, mas proporcionalmente, tem o maior número de lojas por habitante, 1 para cada 16 mil.

Colocação das regiões por quantidades de livrarias (%):
Sudeste: 56%
Sul: 19%
Nordeste: 12%
Centro-Oeste: 6%
DF: 4%
Norte: 3%

A pesquisa também revela que as livrarias mudaram aquela ideia que se tinha sobre as lojas. Atualmente, elas oferecem produtos diferenciados, como CDs, DVDs e utilidades, além de espaço para um bom café ou até mesmo um Cibercafé, espaço para leitura e até troca de idéias entre amigos. 

Outro dado da pesquisa é sobre o perfil dos leitores. Crianças e adolescentes são os principais clientes de grandes e pequenas livrarias e, consequentemente, os títulos infantis e juvenis são os mais vendidos. 56% das livrarias não faz vendas pela internet. São aquelas mais tradicionais, em que o dono conhece os seus clientes, o que gostam de ler e o que geralmente procuram.

Fonte: G1