sexta-feira, 6 de junho de 2008

PROFESSORES de Roraima em greve!

Os professores de Roraima, desde 30 de maio estão em greve. Entre as principais reivindicações, estão o pagamento da progressão horizontal, que não recebem desde 1997, e o aumento de, no mínimo, 35% sobre o salário. O Sinter (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Roraima) é veemente contra o aumento que o governo propõe, que é de 10%, já que as outras categorias com nível superior receberam um aumento salarial de 35 a 70%. Segundo Ornildo Sousa, presidente do Sinter, é um descaso com a classe dos professores e uma prova que o governo não tem compromisso com a Educação. No total, são 22 reivindicações do Sinter.
O movimento ganhou força e a cada dia, os professores das escolas que ainda estava trabalhando normal ou parcialmente foram aderindo à greve. Todos os municípios pararam, somente algumas escolas, cerca de 10%, estão trabalhando parcialmente.
Ornildo Sousa, presidente do Sinter (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Roraima).

Durante a greve, a categoria se reúne frente à Assembléia Legislativa, mas também em outros locais que possa ter mais visibilidade. São realizadas passeatas, carreatas e ações simbólicas e culturais. Na quinta-feira (05), os professores fizeram um abraço coletivo em torno do prédio da Secretaria de Educação, seguido de uma grande passeata no movimentado centro da cidade, onde recebeu apoio da população ali presente.
Na noite de quinta (o5), os professores reuniram-se na principal praça da cidade (Praça das Águas), vestidos de pretos, simbolizando luto pela educação. A solenidade teve a abertura com uma oração. Em seguida, diversas apresentações, como grupos de danças, declamações de poesias, palestras, tornaram o encontro animado e participativo. Em seguida, os professores fizeram uma procissão pela praça em direção a Secretaria de Educação, todos com velas na mão e à frente, dois caixões simbólicos puxavam a procissão, que chamou a atenção das pessoas ali presentes. Ao chegar no prédio da Educação, a procissão foi encerrada com uma solenidade de forma simbólica, em que um professor, ironicamente, fazia orações não conhecidas na liturgia, como despedida do fatídico personagem, a Educação que, entregue aos políticos incompetentes, haviam causado o seu falecimento.
Próxima segunda(9 de junho), O presidente do sindicato e o Secretário de Educação foram intimados a comparecer na Justiça para uma conciliação.

A carreata da categoria, que percorreu vários bairros da cidade, teve grande apoio da população por onde passava.

Situação de algumas escolas do Interior.


Sala de aula

Sala de aula

Sala de aula
Merenda escolar