sexta-feira, 27 de abril de 2012

Análise do discurso: um exemplo de lugar-complemento

Estudo feito por Leonilton Cruz, Letras - UFRR

Em 2010, a Ford caminhões lançou uma campanha com o slogan “A gente tem estrada” para comemorar os 50 anos de Brasil. De acordo com Oswaldo Jardim, diretor de operações de Caminhões da Ford América do Sul, as vendas representaram um crescimento de 44% em comparação a 2009. Essa consolidação fortaleceu a rede de distribuidores e outras foram inauguradas.

Para falar de sua trajetória no Brasil, a campanha teve a participação da dupla sertaneja Chitãozinho e Xororó, que comemoraram 40 anos de carreira também em 2010. No documentário, a dupla conta a sua história de vida e carreira e fazem confidências da época em que percorria as estradas com a família num Ford Cargo, o primeiro caminhão da banda. A campanha aborda temas do cotidiano dos caminhoneiros, em que a marca Ford se tornou a preferência nacional pela confiança e tradição.

            Para Ferreira (2009) a sintaxe ocupa um lugar de destaque nos níveis lingüísticos. A autora diz que “a sintaxe exerce um papel mediador entre a forma e o sentido que mobiliza os diferentes planos da língua, do fonológico ao semântico, chegando a intervir no domínio discursivo”. A autora considera que a língua é heterogênea, ou seja, os sentidos que circundam um “fato lingüístico qualquer são vários, multiformes e deslizantes”. Então, pode-se afirmar que língua e exterioridade não se separam, e as diferenças de sentidos podem funcionar num mesmo significante.

            Na campanha publicitária da Ford Caminhões, podemos perceber essa articulação que se realiza entre o “plano do significante” e o “plano do significado”, de acordo com a autora. Qual o significado da palavra “estrada”? Que plano semântico podemos compreender no enunciado e que mecanismos funcionam? 
            
            Dias e Dalmaschio (2008) aborda o lugar sintático a partir do domínio orgânico da predicação e o de ordem enunciativa mediante a transitividade verbal. Segundo os autores, “o verbo participa da predicação projetando lugar-complemento”, e a ordem enunciativa “arregimenta a discursividade na ocupação ou não do lugar-complemento” que se dá pela relação entre o acontecimento do enunciado e o domínio histórico que constitui esse acontecimento, o que os autores chamam de “recortes  de significação”.

            É isso que a campanha da Ford Caminhões faz. Ao utilizar o slogan “A gente tem estrada”, associada à carreira da dupla sertaneja Chitãozinho e Xororó, percebemos que, embora a palavra “estrada” ocupa um lugar sintático projetado pelo verbo, esse lugar não é estável e imóvel. A memória histórica do telespectador provocará um deslocamento do domínio de referência, produzindo um efeito ao qual a campanha publicitária propõe.

            A dupla sertaneja é reconhecida pelo seu trabalho pioneiro no Brasil, sua longa história e a sua relação com a Ford faz com que o telespectador entenda o enunciado a partir da mobilização que atua no espaço do lugar-complemento, em que “estrada” passa a ter novos sentidos, preenchendo o domínio de referência do lugar objeto.
  

Fontes de Referências:

INDURSKY, Feda e FERREIRA, Maria Cristina Leandro. Os múltiplos territórios da Análise do Discurso. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzato, 1999.

DIAS, Luiz Francisco e DALMASCHIO, Luciani. O papel da discursividade na configuração de lugares sintáticos: Uma análise do complemento verbal. Diadorim – Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Vol. 4. Rio de Janeiro, 2008