sábado, 28 de abril de 2012

Análise literária de "Minha viola bonita", de Mário de Andrade



Minha viola bonita,
Bonita viola minha,
Cresci, cresceste comigo
            Nas Arábias.

Minha viola namorada,
Namorada viola minha,
Cantei, cantaste comigo,
            Em Granada

Minha viola ferida,
Ferida Viola minha,
O amor fugiu para o leste
             Na borrasca.

Minha viola quebrada,
Raiva, anseios, lutas, vida,
Miséria, tudo passou-se
             Em São Paulo


            Minha viola bonita revela traços históricos deste instrumento que segundo o site Wikipédia, “é oriunda de instrumentos árabes, como o alaúde”, e teve grande aceitação no desenvolvimento e arranjos musicais em países como a Espanha e, posteriormente, na América. Podemos perceber que o poeta associa o seu percurso de vida à história da viola, por ter relações com as líricas trovadorescas.

              Nas duas primeiras estrofes, temos um quadro que aponta para um contexto de harmonia. Nelas, o poeta revive as lembranças do passado. A viola do poeta era bonita e desde as Arábias, cresceu com ele e foi sua companheira de momentos felizes. A partir da terceira estrofe, o quadro se desencadeia para um ambiente de conflito. O amor, sentimento vivido até então, se deixa levar pela borrasca, ou seja, pelas tempestades da vida. Nos dois últimos, percebemos o fazer poético do autor em seu espaço de vivência, a cidade de São Paulo onde o poeta vive sua experiência real.